Como planejar o seu jardim

Postado em maio 23, 2019

COMO PLANEJAR O SEU JARDIM

Seja na área do entorno de sua casa, ou até mesmo na sacada do seu apartamento. Não importa quanto espaço você tenha, sempre é possível tornar cada cantinho mais agradável com as plantas certas. Elas podem trazer bem-estar e conforto, tornando o ambiente convidativo. Em alguns casos, como árvores que produzem sombra, podem inclusive trazer conforto térmico e economia na energia de climatização dos ambientes internos.

CLIMA

O Brasil possui características climáticas muito variáveis de acordo com cada região. O clima é fundamental para a escolha da vegetação. Por exemplo, existem plantas que não toleram frio e geada, outras não toleram água em excesso, enquanto que outras não toleram incidência solar direta e constante, e assim por diante.
A incidência solar é um fator muito importante a ser observado no momento de escolher sua planta. Além da insolação direta, também deve ser levada em consideração a radiação proveniente do sol, horários de maior ou menor incidência solar e por quanto tempo, se há ou não sombra e por quanto tempo. Isso porque a quantidade de luz e a temperatura ideal variam muito de planta para planta. Plantas de sol não devem ser plantadas na sombra, pois seus ramos tendem sempre a buscar a luz solar. Dessa forma, quando na sombra, podem crescer de forma desorientada em busca do sol. Por outro lado, plantas de sombra não devem ficar expostas ao sol, pois com o tempo tendem a ficar com um aspecto amarelado e nada saudável. Existem ainda as plantas de meia sombra, que gostam de luminosidade, porém sem raios solares diretos. Essas plantas são ideais para ambientes internos, próximo às janelas.

UMIDADE

Além de verificar a umidade do solo, também é importante verificar se o local estará sobre a incidência direta das chuvas. Plantas que não gostam de muita umidade não devem ser plantadas em locais atingidos diretamente pelas chuvas ou que fiquem no caminho para onde a água do jardim é drenada. Assim como não necessitam ser regadas diariamente. Por isso, é muito importante saber dosar a quantidade de água ideal, para não encharcar o solo sem necessidade. Alguns exemplos de plantas que precisam de pouco água são: babosa, bromélia, cravo, lavanda e orquídea. Outro fator importante, é verificar a umidade do ambiente. Existem plantas que, além de precisarem da umidade no solo, precisam de alta umidade no ar. Nesses casos, é interessante manter por perto, recipientes com água para evaporar. Tenha cuidado para evitar a proliferação de mosquitos e pernilongos na água parada. Mantenha sempre seus recipientes limpos, e troque a água com frequência.

SOLO

A preparação do solo é uma fase muito importante, quando deve ser realizada uma capina de limpeza, aeração e drenagem se necessária. Também deve ser feito o nivelamento e planejamento do plantio, dividindo o terreno de acordo com os tipos de plantas. A abertura das covas para o plantio vem em seguida, e uma avaliação do solo deve ser feita com a finalidade de detectar quais os nutrientes nele disponíveis, e quais precisarão ser repostos. Se for constatada a baixa fertilidade do solo, ele deverá ser enriquecido com adubação e complementos para melhorar a quantidade e qualidade os nutrientes presentes. Além disso, a adubação e reposição de nutrientes deve ser mantida, de acordo com as necessidades específicas de cada espécie. Alguns nutrientes tais como oxigênio, carbono e hidrogênio são fornecidos diretamente através do ar e da água. Existem ainda os nutrientes que são extraídos diretamente do solo: os macronutrientes que são absorvidos em maior quantidade, e os micronutrientes que são absorvidos em quantidades menores. Basicamente, os macronutrientes são constituídos por nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio e enxofre. Enquanto que os micronutrientes são compostos por boro, ferro, zinco, manganês, cobre, molibdênio e cloro.

ESPAÇO

O projeto do seu jardim deve prever se as plantas serão dispostas em vasos ou outros tipos de recipiente, ou se serão plantadas diretamente no solo. No caso de serem plantadas em vasos, seu crescimento será limitado, e a necessidade de adubação e reposição de nutrientes será mais frequente. Ao serem plantadas diretamente no solo, a planta poderá crescer livremente. Nesse caso, é importante estar atento pois algumas espécies podem atingir grandes alturas, e portanto, a sombra que ela projetará nas edificações aos arredores deve ser levada em consideração. As raízes também devem ser consideradas, observando-se se existe espaço suficiente para que elas se desenvolvam plenamente. Calçadas ou edificações muito próximas das plantas, podem limitar o crescimento de suas raízes, o que pode ser perigoso ao comprometer a estabilidade de sua sustentação. Algumas espécies como os fícus e alguns tipos de bambus possuem raízes que buscam por água, o que pode acarretar danos nos encanamentos e caixas d’água, devendo ser plantados a uma distância segura desse tipo de instalação. A poda pode ser utilizada como uma forma de controlar o tamanho e formato das plantas, principalmente no caso de arbustos e trepadeiras, que podem ter o seu crescimento direcionado conforme sua necessidade.

MANUTENÇÃO

Todas as plantas e estruturas de um jardim irão necessitar de manutenção. Porém, com as escolhas certas, é possível determinar se o seu jardim irá precisar de pouca ou muita manutenção. Para aqueles que amam jardinar, e passar seus finais de semana mexendo com as plantas, pode-se propositalmente compor um jardim que precise de bastante cuidados. Por outro lado, também existem opções para aqueles que amam a beleza das plantas, mas gostam de uma manutenção mais prática e não tão frequente. Canteiros são ótimos para quem deseja pouca manutenção, assim como recobrir o solo com materiais orgânicos como cascas de pinus, folhas mortas e maravalha, que ajudam a mantê-lo livre de ervas daninhas e preservam sua umidade por mais tempo. Divisores também são muito práticos e auxiliam na manutenção do jardim, e embora muitos considerem os divisores plásticos não atrativos visualmente no resultado final, é possível fazer essa divisão com materiais mais rústicos como blocos de concreto ou tijolos envelhecidos. Use sempre plantas bem adaptadas com as características do seu solo e clima, e mantenha um espaço considerável entre as plantas. Sempre considere o tamanho das plantas após seu crescimento total, para evitar que o jardim fique muito denso com vegetação, pois isso irá requerer bastante manutenção. Por outro lado, não é interessante deixar muito espaço vago entre as plantas, o que irá demandar a necessidade de novos plantios com frequência. De acordo com o seu ciclo de vida, as plantas precisarão ser substituídas com maior ou menor frequência. Plantas que possuem seu ciclo anual como o amor-perfeito, terão seu ciclo completo no período de um ano, e portanto, precisarão ser substituídas anualmente. Plantas com seu ciclo bianual terão seu ciclo concluído em um período de dois anos, quando precisarão ser substituídas, como o pinheiro orvalhado. Por fim existem as plantas de ciclo perene que possuem um ciclo mais prolongado, e não precisam ser substituídas com tanta frequência, como é o caso da flor-de-lis.

FAUNA

Fique atento ao tipo de vegetação escolhida, pois ela sempre indica qual será a fauna atraída. É normal que pequenos insetos e animais instalam-se junto à vegetação. Algumas espécies podem atrair morcegos, besouros, pássaros e borboletas. Os coqueiros, por exemplo, tendem atrair lagartas. Portanto, certifique-se de que é possível lidar com esse aspecto da fauna para não ser surpreendido no futuro.

Procure sempre ter em mãos o nome científico das plantas, e pesquise todos os detalhes sobre ela. Assim você pode planejar seu jardim com cuidado, garantindo vida longa, saúde, harmonia e beleza. Saiba ter paciência, pois um jardim bonito e bem composto pode levar alguns anos para ficar do jeito que você imaginou. A natureza tem seu tempo, e as plantas, na maioria das vezes, demoram para crescer. Curta cada momento e todo o processo de planejar, montar e cuidar do seu jardim.

Você pode procurar referências de paisagismo em revistas para se inspirar, e até mesmo ter algumas ideias colocando no papel o desenho do seu jardim. Também pode recorrer a ajuda de um profissional dessa área, que irá desenvolver todo o projeto a acompanhar sua execução.